29 julho 2012


Chimarrão, tudo de bom!

2

 
 
 
Olá, meninas (os)!!!
 
Como vocês já notaram aqui, nós somos super fãs de tomar chimarrão, Tchê!
 
Não, não sou gaúcha, mas, não resisto e não consigo ficar sem nenhum dia.
 
Chimarrão é bem mais tradição do que qualquer outro ato gauchesco, é uma boa maneira para reunir os amigos e ter aquela conversar gostoso, sem contar nos benefícios que ele traz, olha só:
 
Diurético, o chimarrão é um concorrente da cafeína. Se houvesse tarja no mate, estaria escrito atua como estimulante do coração e do sistema nervoso, elimina os estados depressivos e tonifica os músculos contra a fadiga e o cansaço. Não é apenas água e erva, tem complexo B, cálcio, magnésio, sódio, ferro e flúor.

As pesquisas sobre o chimarrão estão iniciando seriamente agora. Revelam que a bebida tem antioxidantes, também presentes no badalado chá verde (chinês), e que produz um leve efeito contra a coagulação no sangue, como a aspirina, diz o cardiologista Fernando Lucchese.

Suas ferramentas são simples, constituídas de cuia (a cabeça do porongo decapitado) e bomba (de prata é a melhor; várias famílias gaúchas têm a peça com bocal de ouro, uma jóia que fica curiosamente na gaveta dos talheres). Retirada da erveira, planta que atinge a altura de 6 a 8 metros e similar a uma laranjeira, a erva-mate cobre dois terços da cuia. Botando menos, é mate comprido. Botando mais, é mate curto.

A água a ser posta deve estar quente, não fervida, pois pode queimar a erva e infundir gosto infeliz de pneu queimado. A cuia tem capacidade de mais ou menos um copo, é cheia com erva até a metade, completando-se o resto com água quente. Quando o mate é de boa qualidade, pode-se escaldá-lo até dez ou 12 vezes sem renovar a erva.

Porém, segundo o cardiologista Fernando Lucchese, o chimarrão pode causar gastrite e esofagite, pela composição da erva ácida e água quente. Está relacionado ao câncer de lábio, esôfago e de língua.
Como prepararA receita é simples, mas requer alguma habilidade manual, coisa que só a prática dá: a água tem que estar quente, mas não fervida (desligue a chaleira quando ela começar a chiar, não depois por isso é que chaleiras de aço não prestam para o bom preparo).

Enquanto a água esquenta, molhe a cuia por dentro, para aquecê-la. Coloque a erva, com a cuia meio de lado (mais ou menos a metade do volume interno da cuia). Com a erva por assim dizer encostada em um dos lados da cuia, bota-se a água, para firmar o morrinho.

Coloque a bomba quando a água posta para firmar o morrinho já foi absorvida pela erva, de forma que a bomba entra a seco (mas há quem a coloque com a água ainda ali); arrume o morrinho com o bulbo da bomba e está pronto.
 
Gostaram?
 
Beijos

2 comentários:

Mistura que da certo disse...

Eu estou curiosa para provar isto...até meu marido quer rsrsrs...Mas eu não este utensílio como faço sem isto?bjos

Lari Souza disse...

Oi Ká!!!

Ai vc irá adorar, aqui no Brasil é facil de encontrar, pois vc precisará apenas de uma cuia, bomba e erva mate.

Espero ter ajudado.

bjs

Postar um comentário